Uma luz, uma fotografia

Há algum tempo decidi começar um projecto fotográfico de retratos. A ideia é simples: num espaço limitado e sem usar material muito caro criar imagens interessantes de várias pessoas. O espaço acabou por ser a minha garagem e o material apenas uma luz, alguns tripés, um pano de flanela e um banco de madeira.

O intuito deste projecto é o de criar retratos interessantes e humanos, tentando reduzir o espaço fotográfico a apenas alguns elementos básicos. Ao cortar deste processo criativo toda a noção - por vezes algo intimidante - de um espaço criado especificamente para o propósito de fotografar, tencionei retirar toda a pressão e criar um espaço mais relaxante, onde estas pessoas se pudessem sentir completamente livres de expectativas e consequentemente mostrar facetas mais genuínas das suas faces.  

Para testar o conceito convidei o meu amigo Martim para aparecer com uma das suas guitarras numa fotografia. Como desafio, decidimos celebrar uma fotografia de B.B. King da autoria do fotógrafo Jeff Sedlik. Neste post vou mostrar um pouco deste processo, desde a criação da imagem original, a cores, à versão final a preto e branco.

 
A primeira versão da imagem, sem retoques, directamente saída da câmara

A primeira versão da imagem, sem retoques, directamente saída da câmara

 

Esta tem, claro, diferenças em relação à original. Não temos uma guitarra chamada Lucille. A posição das mãos foi invertida por uma questão de conforto. Não tendo um estúdio espaçoso, é, ainda assim, quase sempre possível criar imagens interessantes com o que temos. Neste caso recriei o fundo da fotografia original com um pano de flanela comprido, apoiado em dois tripés. Em vez de uma Lucille, utilizámos a guitarra Les Paul do Martim. Procurámos também uma indumentária próxima da original. Como iluminação utilizei apenas uma luz.

Para chegar à fotografia final foi necessário fotografar algumas vezes para tentar descobrir um ângulo, tanto da luz como da câmara, que evocasse a imagem original; criar algumas imagens-esboço. Esta foi a fotografia que acabei por seleccionar para utilizar aqui. 

 
A mesma imagem depois de alguns ajustes globais

A mesma imagem depois de alguns ajustes globais

 

Já nos estamos a aproximar da "energia" da imagem original. Falta, é claro, a conversão para preto e branco, mas a posição, o ângulo da fotografia, a luz, já estão bastante próximas da original. Agora falta acertar um pouco alguns locais específicos da fotografia. Retocar algumas sombras, adicionar ou retirar algum contraste e detalhe a certas zonas da imagem e definir a tonalidade do preto e branco.

 
Depois da conversão para preto e branco, falta aqui apenas definir o corte da imagem

Depois da conversão para preto e branco, falta aqui apenas definir o corte da imagem

 

Estamos praticamente na versão final e agora só falta realmente cortar a fotografia. Os níveis de contraste e de luz não estão exactamente iguais à original, claro. Sem querer destoar demasiado da imagem que estava a tentar recriar, não quis também abdicar de um pouco do meu próprio estilo, particularmente no que toca ao contraste e detalhe de texturas. Também quis deixar bem claro que a imagem é muito do Martim. É ele que dá a esta fotografia a sua humanidade e é para ele que a criámos. Se recriasse na perfeição a iluminação e tonalidade originais esta imagem não resultaria, porque seria caracterizada para B.B. King e não para o Martim. 

 
A versão final

A versão final

 

No final, apesar das limitações que impus a mim mesmo, consegui, espero eu, recriar o sentimento por de trás de uma imagem de que gosto imenso. Espero também ter conseguido mostrar que não é necessário comprar material de topo para criar boas fotografias. Mais do que ter aquele flash ou aquela objectiva de topo, é importante ter ideias para exprimir, e conceber planos para as executar. Uma objectiva cara, só por si, não pode alguma vez criar uma fotografia interessante se por trás da câmara não estiver um conceito, uma emoção ou um sentimento muito concretos por exprimir.

O que quis eu exprimir nesta fotografia? Vida longa à música!